Febre amarela em Curvelo: entenda o que está acontecendo

A Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou na última sexta-feira, dia 10, um balanço atualizado sobre a situação da febre amarela no Estado. Em Curvelo foram encontrados três macacos com confirmação da doença, mas apesar da circulação do vírus em primatas não humanos, até o momento, não há notificação de casos de febre amarela em humanos.

 

Albany de Souza, coordenador do setor de Educação em Saúde da prefeitura de Curvelo, anunciou durante transmissão ao vivo via Facebook, que o município já está realizando ações de bloqueio, promovendo o isolamento da área onde foram encontrados os animais para realizar a pulverização e eliminação dos mosquitos existentes na região. Além disso, estão sendo realizados mutirões de limpeza.

 

Em sua transmissão, Albany lembrou ainda como cada cidadão pode ajudar na descarte correto do lixo e na limpeza de seus quintais. “Nós devemos ter o mesmo controle e atenção que temos em relação ao Aedes aegypti, uma vez que a febre amarela urbana é transmitida por este mesmo mosquito. É preciso que cada cidadão mantenha seu quintal limpo”, afirmou.

 

Pensando em esclarecer as dúvidas dos curvelanos, o Mais Completo preparou algumas perguntas e respostas sobre a febre amarela em Minas Gerais. Confira abaixo:

 

O que é a febre amarela?

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por mosquitos, tanto em áreas urbanas e silvestres. Em áreas florestais, os principais vetores são os mosquitos Haemagogus e Sabethes.

 

Quais casos da doença já foram confirmados em Minas?

Em 2017, já foram notificados 987 casos de febre amarela em Minas Gerais, sendo que desses 57 foram descartados e outros 198 são casos confirmados. Em relação aos óbitos, há 163 óbitos suspeitos. Desses, 68 foram confirmados.

 

Os macacos transmitem a doença?

Não. Segundo a SES-MG, é importante reafirmar que os macacos não transmitem a febre amarela para o homem e não são os responsáveis pela transmissão da doença. Eles são indicadores importantes para vigilância da febre amarela.

 

Como faço para notificar a morte de macacos?

A notificação da morte ou mesmo de macacos doentes deve ser feita o mais brevemente possível para que as devidas providências possam ser tomadas pelo município. Qualquer dúvida pode ser esclarecida junto a Vigilância Ambiental de Curvelo ou no telefone (38) 3722-8080.

 

Quem deve se vacinar?

A vacinação da febre amarela ocorre em duas doses, tanto para adultos quanto para crianças. As crianças devem receber as vacinas aos nove meses e aos quatro anos de idade. Assim, a proteção está garantida para o resto da vida. Dos seis aos nove meses de idade incompletos – a vacina está indicada somente em situação de emergência epidemiológica ou viagem para área de risco.

 

Para adultos, que não tomaram as doses na infância, a orientação é uma dose da vacina e outra de reforço, dez anos depois da primeira. As recomendações são apenas para as pessoas que vivem ou viajam para as áreas de recomendação da vacina. A população que não vive na área de recomendação ou não vai se dirigir a essas áreas, não precisa buscar a vacinação neste momento.

 

Quem perdeu o cartão de vacinação deve procurar o serviço de saúde que costuma frequentar e tentar resgatar o histórico. Caso isso não seja possível, a recomendação é iniciar o esquema normalmente. Portanto, pessoas a partir de cinco anos de idade que nunca foram vacinadas, ou sem comprovante de vacinação devem receber a primeira dose da vacina e um reforço, dez anos depois. Vale destacar que a situação de saúde deve ser informada ao profissional de saúde, para que seja possível avaliar se há contraindicação.

 

A vacina é contraindicada para crianças menores de seis meses, idosos acima dos 60 anos, gestantes, mulheres que amamentam crianças de até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas. Em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação para estes grupos, levando em conta o risco de eventos adversos.

Compartilhe esta notícia nas suas redes sociais!
error: Atenção! Os textos, fotos, artes e vídeos do Mais Completo estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em quaisquer outros veículos de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. Sinta-se a vontade para compartilhar nossos conteúdos em suas redes sociais!